Conheça as principais doenças que afetam os cachorros no verão

Os pets também aproveitam o verão! Com a chegada da estação mais quente do ano, as rotinas dos cães mudam. Mais passeio ao ar livre, mais banhos, mais tempo livre com as crianças e claro, cuidados redobrados! É nessa época também que algumas doenças se proliferam. Saiba quais são as principais doenças que acometem os cachorros no verão e como cuidar melhor do seu companheiro.

Doenças de pele, infestações de parasitas, viroses e verminoses são algumas das doenças que se agravam e tem maior incidência durante o verão.

6 doenças que afetam os cachorros no verão para prestar mais atenção

1 – Infestações de pulgas e carrapatos

Dois fatores são fundamentais para aumentarem a incidência de infestação de parasitas em cachorros no verão. Primeiramente, a umidade e o calor criam o ambiente perfeito para as pulgas e carrapatos se multiplicarem.

Além disso, nessa época do ano, é comum que os cães passeiem mais e tenham mais contato com outros animais, que podem estar infectados.

Assim, a presença dos parasitas e de possíveis doenças causadas por eles aumenta.

2 – Viroses

Existem vários tipos de viroses que acometem os cães, muitas delas podem causar danos graves. Cinomose, Parvovirose e Leptospirose são alguns exemplos. Essas doenças são altamente contagiosas.

As viroses podem ser transmitidas tanto pelo contato com outro animal infectado, como por outros vetores, como é o caso da Leishmaniose, transmitida por mosquitos, ou da Leptospirose, que é transmitida por ratos. Como nessa época do ano há maior proliferação dos vetores transmissores, os cachorros no verão ficam mais vulneráveis à doença. Para evitar é necessário ter a vacinação em dia.

3 – Doenças de pele

Os cães tem a pele sensível, e no verão, a exposição à irradiação solar pode agravar o risco de câncer de pele.

Além do sol, as sarnas, os parasitas e até substâncias químicas, como o cloro das piscinas, aumentam a incidência de dermatites e feridas na pele dos animais. Os cães de pelo claro são os que mais sofrem com queimaduras.

4 – Insolação e hipertermia

A insolação acontece quando o animal fica muito tempo sob o sol, preso em locais pouco arejados, ou fazendo exercícios físicos intensos em altas temperaturas.

Quando acontece, os cães ficam ofegantes, fraqueza, diarreia e até presença de sangue nas fezes. Em casos mais graves, pode acabar desenvolvendo uma hipertermia, quando o animal não consegue regular a temperatura corporal que fica muito alta e pode até causar a morte.  Raças de focinho achatado, como o Bulldogue, ou as de pelagens densas, como o São Bernardo, são  os mais propensos a sofrerem com a insolação.

5 – Desidratação

Com o calor, os animais tentem a suar mais, perdendo muito liquido, dessa forma, se não tiver água fresca disponível para o cão, ele pode desenvolver um quadro de desidratação.

A desidratação pode causar dificuldade de respirar, enjoos, mal estar, vômitos e diarreia.

6 – Otite

O motivo para a otite ter maior incidência nos meses mais quentes está na frequência com que os animais ficam molhados. Os banhos aumentam, já que os cães se sujam mais e eles adoram se refrescar no mar ou piscina. Isso favorece o acúmulo de umidade na região das orelhas e a proliferação de bactérias e fungos.

A consequência é a inflamação e infecção na região externa ou interna do ouvido. Raças com orelhas grandes, muitos pelos no ouvido ou canais auditivos pequenos são mais propensas a ter essa doença. Cocker Spaniel Inglês, Beagles, Basset Hounds, Yorkshires Terrier, Border Collies e Pastores Alemães são alguns exemplos.