Servidores adotam pets que levam alegria ao Idaf

Presente em todo território capixaba através das gerências locais, postos de atendimentos, e postos de divisa (barreira sanitária), o Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal do Espírito Santo (Idaf), tem realizado uma política solidária de adoção compartilhada de animais, por parte de seus servidores.

Os animais que chegam nos escritórios do instituto à procura de comida, água, e um espaço para dormir, podem permanecer no local, desde que os servidores se comprometam a cuidar e arcar com as despesas desses animais, é o que diz o diretor-presidente do órgão, Mário Louzada, que explica também que alguns dos servidores acabam levando definitivamente os animais para casa.

“Todos os animais que são adotados são cuidados pelos servidores, recebem medicação, vacinas, banho, ficando livres de doenças e parasitas. Vale ressaltar que o instituto não gasta nenhum dinheiro com isso. São os servidores que se juntam e pagam todas as despesas. Na maioria das vezes, são animais que chegam até o escritório pedindo socorro, e lá encontram amor e carinho. Todos que trabalham ou são atendidos no Idaf se apaixonam por esses animais”, conta Louzada.

Na Gerência Regional de Cachoeiro de Itapemirim é possível encontrar dois cães já velhinhos, o Fred e a Dafa. De acordo com uma das tutoras, Márcia Braga, o Fred chegou por volta de 2010, e a cachorrinha Dafa, em 2016.

“O Fred foi encontrado na garagem do Idaf com maus-tratos, ele foi cuidado e mais tarde descobrimos um problema sério de coração, que faz com ele precise de acompanhamento periódico com veterinário e o uso de medicamentos. Já a Dafa foi resgatada após um atropelamento em frente ao escritório, cuidamos, castramos, e ela não queria mais ir embora, até tentamos doá-la, mas já era tarde, pois ela já fazia parte do nosso dia a dia. Todos nós se juntamos para cuidar dos cãezinhos”, afirma a servidora.

O servidor Carlos Alexandre Felippe que trabalha no Posto de Divisa, José do Carmo, em Mimoso do Sul, é quem conta a história do Pretinho, um cão sem raça definida que mora por lá há cinco anos.

“É normal aparecerem animais nos Postos de Divisa, por esses locais estarem próximos à rodovia, e não foi diferente com o Pretinho. Um belo dia, ele apareceu no pátio e a equipe que estava de plantão o alimentou. Por se sentir seguro, ele foi ficando, e acabou sendo adotado por todos e se tornando nosso mascote. O Pretinho, além de mascote é nosso protetor, pois sempre que precisamos nos ausentar da cabine de fiscalização, seja para uma blitz, seja para vistoriar uma carga, o Pretinho sempre nos acompanha”, destaca.

No Posto de Divisa Amarílio Lunz, em Pedro Canário, uma gata procriou, e em seguida foi atropelada, deixando três filhotes que foram cuidados pelos servidores, sendo que dois deles tiveram a adoção garantida, e um permaneceu na barreira, sendo atração por lá.